15.12.2015

Dezembro Laranja

dezembro_laranja

Esse mês ao conversar com minha dermatologista Dr.Mônica Azulay e entrar em suas redes sociais me atentei da importância da divulgação da campanha do Dezembro Laranja. Já participei de várias ações em prol da campanha em anos anteriores mas esse ano devido a estar ainda de licença abei me desligando. Dra. Mônica Azulay postou em sua rede social o seguinte texto:

Dezembro Laranja

Apesar de mais de 2 décadas da existência do filtro solar, o câncer de pele é o de maior prevalência na população brasileira.As chances de cura são grandes, sobretudo quando diagnosticado precocemente. Procure um dermatologista Titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia ‪#‎cancerdepeletemcura‬ #‎sociedadebrasileiradedermatologia‬‪ #‎porumadermatologiaetica‬  ‪#‎membroTITULARsbd‬

Eu achei importante também complementar e fazer um post completo com textos irados do site da Sociedade Brasileira de Dermatologia, pois informação é tudo, né!

ADCOS-Cosméticos-Apoia-Campanha-Dezembro-Laranja-2

O que é o câncer da pele

O Instituto Nacional do Câncer (INCA) registra, a cada ano, 135 mil novos casos e o câncer da pele responde por 25% de todos os diagnósticos de câncer no Brasil. O tipo mais comum, o não melanoma, tem letalidade baixa, mas os números alarmam os especialistas. A exposição excessiva ao sol é a principal causa da doença. Nos Estados Unidos, a Academia Americana de Dermatologia estima que haja dois milhões de casos novos a cada ano.

A doença é provocada pelo crescimento anormal e descontrolado das células que compõem a pele. Estas células se dispõem formando camadas e, de acordo com a camada afetada, definimos os diferentes tipos de câncer. Os mais comuns são os carcinomas basocelulares e os espinocelulares. Mais raro e letal que os carcinomas, o melanoma é o tipo mais agressivo de câncer da pele.

A radiação ultravioleta é a principal responsável pelo desenvolvimento de tumores cutâneos, e a maioria dos casos está associada á exposição excessiva ao sol ou ao uso de câmaras de bronzeamento.

Apesar da incidência elevada, o câncer da pele não-melanoma tem baixa letalidade e pode ser curado com facilidade se detectado precocemente. Por isso, examine regularmente sua pele e procure imediatamente um dermatologista caso perceba pintas ou sinais suspeitos.

Sinais e sintomas

O câncer da pele pode se assemelhar a pintas, eczemas ou outras lesões benignas. Assim, conhecer bem a pele e saber em quais regiões existem pintas faz toda a diferença na hora de detectar qualquer irregularidade. Somente um exame clínico feito por um médico especializado ou uma biópsia podem diagnosticar o câncer da pele, mas é importante estar sempre atento aos seguintes sintomas:

  • Uma lesão na pele de aparência elevada e brilhante, translúcida, avermelhada, castanha, rósea ou multicolorida, com crosta central e que sangra facilmente;
  • Uma pinta preta ou castanha que muda sua cor, textura, torna-se irregular nas bordas e cresce de tamanho;
  • Uma mancha ou ferida que não cicatriza, que continua a crescer apresentando coceira, crostas, erosões ou sangramento.

Como prevenir o câncer da pele

guarda-sol

Evitar a exposição excessiva ao sol e proteger a pele dos efeitos da radiação UV são as melhores estratégias para prevenir o melanoma e outros tipos de tumores cutâneos.

Como a incidência dos raios ultravioletas está cada vez mais agressiva em todo o planeta, as pessoas de todos os fototipos devem estar atentas e se protegerem quando expostas ao sol. Os grupos de maior risco são os do fototipo I e II, ou seja: pele clara, sardas, cabelos claros ou ruivos e olhos claros. Além destes, os que possuem antecedentes familiares com histórico da doença, queimaduras solares, incapacidade para bronzear e pintas também devem ter atenção e cuidados redobrados.

A Sociedade Brasileira de Dermatologia recomenda que as seguintes medidas de proteção sejam adotadas:

  • Usar chapéus, camisetas e protetores solares.
  • Evitar a exposição solar e permanecer na sombra entre 10 e 16h (horário de verão).
  • Na praia ou na piscina, usar barracas feitas de algodão ou lona, que absorvem 50% da radiação ultravioleta. As barracas de nylon formam uma barreira pouco confiável: 95% dos raios UV ultrapassam o material.
  • Usar filtros solares diariamente, e não somente em horários de lazer ou diversão. Utilizar um produto que proteja contra radiação UVA e UVB e tenha um fator de proteção solar (FPS) 30, no mínimo.  Reaplicar o produto a cada duas horas ou menos, nas atividades de lazer ao ar livre. Ao utilizar o produto no dia-a-dia, aplicar uma boa quantidade pela manhã e reaplicar antes de sair para o almoço.
  • Observar regularmente a própria pele, à procura de pintas ou manchas suspeitas.
  • Consultar um dermatologista uma vez ao ano, no mínimo, para um exame completo.
  • Manter bebês e crianças protegidos do sol. Filtros solares podem ser usados a partir dos seis meses.

Fotoproteção

A exposição à radiação ultravioleta (UV) tem efeito cumulativo e penetra profundamente na pele, sendo capaz de provocar diversas alterações, como o bronzeamento e o surgimento de pintas, sardas, manchas, rugas e outros problemas. A exposição solar em excesso também pode causar tumores benignos (não cancerosos) ou cancerosos, como o carcinoma basocelular, o carcinoma espinocelular e o melanoma.

Na verdade, a maioria dos cânceres da pele está relacionada à exposição ao sol, por isso todo cuidado é pouco.  Ao sair ao ar livre procure ficar na sombra, principalmente no horário entre as 10h e 16h, quando a radiação UVB é mais intensa.  Use sempre protetor solar com fator de proteção solar (FPS) de 30 ou maior. Cubra as áreas expostas com roupas apropriadas, como uma camisa de manga comprida, calças e um chapéu de abas largas. Óculos escuros também complementam as estratégias de proteção.

Sobre os protetores solares (fotoprotetores)

protetor-solar-produtos-2

Os fotoprotetores, também conhecidos como protetores solares ou filtros solares, são produtos capazes de prevenir os males provocados pela exposição solar, como o câncer da pele, o envelhecimento precoce e a queimadura solar.

O fotoprotetor ideal deve ter amplo espectro, ou seja, ter boa absorção dos raios UVA e UVB, não ser irritante, ter certa resistência à água, e não manchar a roupa. Eles podem ser físicos ou inorgânicos e/ou químicos ou orgânicos. Os protetores físicos, à base de dióxido de titânio e óxido de zinco, se depositam na camada mais superficial da pele, refletindo as radiações incidentes. Eles não eram bem aceitos antigamente pelo fato de deixarem a pele com uma tonalidade esbranquiçada, mas Isso tem sido minimizado pela coloração de base de alguns produtos. Já os filtros químicos funcionam como uma espécie de “esponja” dos raios ultravioletas, transformando-os em calor.

Radiação UVA e UVB

imagem_46_6276

Um fotoprotetor eficiente deve oferecer boa proteção contra a radiação UVA e UVB. A radiação UVA tem comprimento de onda mais longo e sua intensidade pouco varia ao longo do dia. Ela penetra profundamente na pele, e é a principal responsável pelo fotoenvelhecimento e pelo câncer da pele. Já a radiação UVB tem comprimento de onda mais curto e é mais intensa entre as 10h e 16h, sendo a principal responsável pelas queimaduras solares e pela vermelhidão na pele.

Um fotoprotetor com fator de proteção solar (FPS) 2 até 15 possui baixa proteção contra a radiação UVB;  o FPS 15-30 oferece média proteção contra UVB, enquanto os protetores com FPS 30-50, oferecem alta proteção UVB e o FPS maior que 50, altíssima proteção UVB. Pessoas de pele clara, que se queimam sempre e nunca se bronzeiam, geralmente aqueles com cabelos ruivos ou loiros e olhos claros, devem usar protetores solares com FPS 15, no mínimo.

Já em relação aos raios UVA, não há consenso quanto à metodologia do fator de proteção. Ele pode ser mensurado em estrelas, de 0 a 4, onde 0 é nenhuma proteção e 4 é altíssima proteção UVA, ou em números: < 2, não há proteção UVA; 2-4 baixa proteção; 4-8 média proteção, 8-12 alta proteção e > 12 altíssima proteção UVA.  Procure por esta classificação ou por valor de PPD nos rótulos dos produtos.

Como escolher um fotoprotetor?

f13d0-mulher_pensativa

Em primeiro lugar, devemos verificar o FPS, quanto é proteção quanto aos raios UVA, e tambémse o produto é resistente ou não a água. A nova legislação de filtros solares exige que tudo que o produto anunciar no rótulo, deve ter testes comprovando a eficácia.  Outra mudança é que o valor do PPD que mede a proteção UVA deve ser sempre no mínimo metade do valor do Filtro solar. Isso porque se sabe que os raios UVA também contribuem para o risco de câncer de pele.

O “veículo” do produto– gel, creme, loção, spray, bastão – também tem de ser considerado, pois isso ajuda na prevenção de acne e oleosidade comuns quando se usa produtos inadequados para cada tipo de pele. Pacientes com pele com tendência a acne devem optar por veículos livres de óleo ou gel creme. Já aqueles pacientes que fazem muita atividade física e que suam bastante, devem evitar os géis, pois saem facilmente.

Como aplicar o fotoprotetor?

protetor-solar-dermatologia

O produto deve ser aplicado ainda em casa, e reaplicado ao longo do dia a cada 2 horas, se houver muita transpiração ou exposição solar prolongada. É necessária aplicar uma boa quantidade do produto, equivalente a uma colher de chá rasa para o rosto e três colheres de sopa para o corpo, uniformemente, de modo a não deixar nenhuma área desprotegida. O filtro solar deve ser usado todos os dias, mesmo quando o tempo estiver frio ou nublado, pois a radiação UV atravessa as nuvens.

É importante lembrar que usar apenas filtro solar não basta. É preciso complementar as estratégias de fotoproteção com outros mecanismos, como roupas, chapéus e óculos apropriados. Também é importante consultar um dermatologista regularmente para uma avaliação cuidadosa da pele, com a indicação do produto mais adequado.

Bronzeamento artificial e saúde

camara-de-bronzeamento-artificial-665901-MLB20426002001_092015-F

Uma Resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) publicada em dezembro de 2009 proibiu a prática de bronzeamento artificial por motivações estéticas no Brasil. Foi o primeiro país no mundo a tomar medidas tão restritivas em relação ao procedimento. Desde então, outras nações com incidência elevada de câncer da pele, como Estados Unidos e Austrália, também tomaram medidas para dificultar a realização do procedimento.

As câmaras de bronzeamento artificial trazem riscos comprovados à saúde, e em 2009 foram reclassificadas como agentes cancerígenos pela Organização Mundial de Saúde (OMS), no mesmo patamar do cigarro e do sol.   A prática de bronzeamento artificial antes dos 35 anos aumenta em 75% o risco de câncer da pele, além de acelerar o envelhecimento precoce e provocar outras dermatoses.

A Sociedade Brasileira de Dermatologia posiciona-se veementemente favorável à proibição da prática do bronzeamento artificial para fins estéticos em virtude dos prejuízos que causa à população. O câncer da pele é o tipo mais comum no Brasil, e a prevalência cresce anualmente, o que só reforça a necessidade de apoiarmos todas as medidas que favoreçam a prevenção.

Se você tem interesse em fazer bronzeamento artificial, não esqueça: qualquer estabelecimento no Brasil que ofereça esse procedimento com motivações estéticas atua de forma irregular e está sujeito a fechamento e outras penalidades. Não compactue com uma prática proibida, que pode comprometer seriamente a saúde. Aceite o tom da sua pele como ele é. Pele bonita é pele saudável.

Dezembrolaranjafolder

 


03.12.2015

Minha Vida é Uma Novela

Olá pessoal!

Desculpem o sumiço, mas prometo que voltarei a postar aqui no Blog regularmente de novo. Na verdade o diretor de arte estava de férias aqui no Rio de Janeiro, na minha casa. Logo, não tinha que escrevesse e nem quem fizesse a parte das artes. Mas, precisaamos de féias e já estamos de volta

Apesar das férias os vídeos não pararam e o canal está com muitas novidades. Finalmente, atendendo, ao pedido de vocês publiquei – O primeiro capítulo da série “ Minha vida é uma novela”. Conto com detalhes o que realmente aconteceu comigo. Serão muitos vídeos que contarei da primeira a última internação, explico tudinho para ninguém ficar com dúvidas. E ainda falo um pouco sobre minha vida de médica, de casada, faço reflexões sobre o que aconteceu e terão depoimentos das pessoas que viveram essas fases junto comigo. Bom, por enquanto tem o primeiro capítulo e logo virão os prósimos você não pode perder. Se não assistiu, corre lá e assista. Se ainda não é inscrito no canal, increva-se.

E vem muito post novo por ai!!!


11.11.2015

Como me tornei médica

CATARINA_MÉDICA_1

Desde criança eu já queria ser médica. Pelo fato de ter asma desde novinha, sempre quando tinha que recorrer a hospitais para tratar as crises de asma, ficava maravilhada com a profissão daqueles homens e mulheres que me pegavam em crise grave de asma e me deixavam rapidamente me sentindo muito bem. Não tenho médicos na família, não venho de família rica e ainda morava em Niterói. Na maioria das vezes para conquistarmos nossos objetivos na vida temos que lutar. No meu caso, durante o vestibular tive que ir estudar no Rio de Janeiro, demorar mais de duas horas no trajeto casa-colégio-casa, mas que foi fundamental para o meu sucesso.

Pensem sempre que o que você planta hoje irá ser colhido amanhã. Então não adianta você achar que com pouco esforço você ira atingir objetivos maiores. Dedique-se, estude duro, porque nada é impossível. Foque nos assuntos que você se considera fraco, estude principalmente esses assuntos, que a vitória ficará mais perto. No meu caso, português era meu ponto fraco, por conta dessa matéria não passei de primeira, mas no segundo ano de vestibular me dediquei muito e consegui passar para a faculdade que sonhava – a Universidade Federal do Rio de Janeiro.

CATARINA_MÉDICA_2-2

Dentro da faculdade também não tive facilidades. As matérias dos dois primeiros anos são difíceis, pouco interessantes, não vemos pacientes, então tive que aguentar firme para conseguir. Fora as dificuldades de transporte entre Pendotiba (Niterói) e a Ilha do Fundão. Na faculdade tive a necessidade de ganhar meu próprio dinheirinho, então era bolsista de iniciação científica, de dois projetos, o que me ajudou muito durante o curso médico. Morei um período com a minha avó, no Ingá en Niterói, depois morei em um pensionato com 14 meninas (depois conto melhor essa história), e meu Pai conseguiu comprar para mim um apartamento na ilha do Governador. Nessa época o Marcão era residente de Neurologia, e decidimos ir morar juntos. Hoje em dia, eu com certeza teria casado com ele antes disso. Muitas vezes morar junto pode parecer interessante em relação a experiência, mas isso nos deixa muito desamparadas, e para depois provar alguma coisa pode ser difícil.

Me formei médica em Julho de 2012, e decidi por não fazer prova de residência para investirmos na formação médica do Marcão. Mas em fevereiro de 2013 um aprova de residência foi cancelada e resolvi me inscrever, sem nem mesmo ter estudado. Fui aprovada em Clínica Médica para o Hospital Geral de Nova Iguaçu, onde até hoje faço residência (minha vaga está trancada).

CATARINA_MÉDICA_3

Nunca desistam dos seus sonhos! Lembrem que tudo é possível. se esforcem, se dediquem, estudem duro que a vitória um dia chega. O segredo também e não ficar se cobrando. Ter fé que você um dia vai passar.

Maiores detalhes no vídeo pessoal! Não deixem de se inscrever no canal!